Dica literária: “Onde vivem os monstros”

Maurice-Sendak-Onde-vivem-os-monstrosNa história escrita em 1963, o garoto Max, vestido com sua fantasia de lobo, faz tamanha malcriação que é mandado para o quarto sem jantar. Lá, ele se transporta para uma floresta, embarca em um miniveleiro, navega pelo oceano, até chegar numa ilha, onde vivem os monstros. Com o seu olhar firme, consegue dominá-los e é coroado rei. Max, então, fica livre para mandar e desmandar, longe de regras ou restrições. Mas, quando a saudade de casa e daqueles que realmente o amam começa a apertar o peito, Max fica em dúvida sobre suas escolhas.

Autor: Maurice Sendak
Ilustrador: Maurice Sendak
Tradução: Heloisa Jahn
Editora: Cosac e Naify

Dica literária: Fico à espera

O formato de envelope convida a abrir o livro como se fosse uma carta. Apoiado em uma janela, um menino divaga, curioso pelo que a vida lhe trará. Fico à espera… narra a trajetória de um homem, da infância à velhice, conduzindo o leitor de forma comovente pelo tempo que passa sem pedir licença, pelas coisas que esperamos, não importa a idade. Poderia ser a história de qualquer um. O livro traz momentos como a guerra, o casamento, a perda de um parente querido, o afastamento dos filhos, o nascimento de um neto. Um pequeno fio de lã vermelho percorre página a página todas as emoções: emaranha-se quando está bravo, esconde-se quando está com vergonha, estica quando quer crescer, e se quebra na separação. A narrativa provoca uma reflexão sobre a continuidade da vida. Ao ler essa espécie de álbum de memórias, a sensação é de gostosa nostalgia. Um livro para ler sem esperas. 
Autor Davide Cali
Ilustrador: Serge Bloch
Tradução: Marcos Siscar
Editora: Cosac e Naify

Dica literária: A árvore generosa

A árvore generosa é uma fábula em preto-e-branco sobre a amizade, a consciência ecológica e a passagem para a vida adulta.
Os estreitos laços que aproximam o menino e a árvore transformam-se, pouco a pouco, em distância e silêncio. 

Ela sempre acolhe e oferta; ele tudo pede e retira. 

A árvore propõe uma relação de troca sincera e desinteressada – essa que o menino parece desaprender quando vira homem. 

Dica literária: “Stellaluna”

‘Stellaluna’ é um livro sobre a possibilidade de atração dos opostos e da amizade entre seres diferentes e, a princípio, incompatíveis. 
A fábula conta a história de uma simpática morceguinha, Stellaluna. Ainda neném, ela sai numa noite com a mãe em busca de comida. 
Durante o passeio são atacadas por uma coruja e a pequena Stellaluna acaba caindo num ninho junto a uma família de passarinhos. Mesmo sendo uma estranha no ninho ela é aceita, mas com uma condição; perder suas características de morcego e começar a agir como um passarinho. Afinal, ela poderia influenciar os outros filhotes. 
O sacrifício da adaptação inclui a árdua condição de se contentar em comer insetos em vez de frutas frescas.

Dica literária: “O carteiro chegou”

Assim como todo mundo, os contos de fadas gostam de mandar e receber cartas. João, por exemplo, mal tem tempo de agradecer o gigante pelas ótimas férias que sua galinha de ovos de ouro lhe proporcionou. Cachinhos Dourados aproveita para se desculpar com a família Urso por ter causado confusão na casa. E o que seria da bruxa sem o catálogo de ofertas do Empório da Bruxaria, que esse mês oferece uma promoção especial de mistura para torta Menino Fofo? Por isso, quando o carteiro chega é sempre uma festa, e todo mundo o convida para entrar. Mas às vezes – especialmente em caso de Lobo Mau – ele prefere recusar o chazinho e dar no pé o mais rápido possível. O livro, que é todo contado em rimas, vem cheio de cartas de verdade, postais, livrinhos e convites, com envelope e tudo.

Dica literária: “Lili, Pedro e o peixe caçador de tesouros”

Pedro quer brincar e não se conforma em ter de tomar banho, afinal ‘um pirata não se lava nunca’. Lili, sua amiga, o conduz então a uma aventura pelos mares, à procura de um tesouro. 
A bordo da ‘Banheira Encantada’, a dupla encontra criaturas e objetos curiosos, além de ventos fortes e ondas gigantes. 
A incrível capacidade que as crianças tem para criar fantasias a partir das coisas mais simples, como um banho, é o ponto de partida para a segunda aventura da dupla Lili e Pedro.